E se o usássemos plástico para pavimentar nossas estradas?

E se o usássemos plástico para pavimentar nossas estradas?

Esta tecnologia está sendo testada e construída em cada vez mais países, à medida que o problema mundial de poluição se torna mais forte. 

Em Gana (na África Ocidental) apenas 5% das 5.000 toneladas de plástico que é descartada todos os dias chegam às instalações de reciclagem. Todo o restante é jogado em lixões ilegais, aterros, ruas ou queimado, liberando gases tóxicos em nossa atmosfera.

Quando decidiu ir atrás do motivo pelo qual isso acontece, Heather Troutman, gerente de programa da Gana National Platic Action Partnership, descobriu que o pensamento predominante no país é de que a reciclagem é uma ação muito mais trabalhosa e cara.

Para mudar essa visão, mostrar como resíduos podem ganhar uma nova função, beneficiando a visa de todas, uma invenção baseada em Economia Circular vem surgindo.

Visualmente, uma estrada que atravessa Accra, a capital de Gana, se parece com qualquer outro asfalto, mas este asfalto também é composto por plásticos usados – provenientes de garrafas, sacos rasgados, derretidos e embalagens de alimentos – que, de outra forma, seriam destinados a um aterro sanitário.

Esta tecnologia está sendo testada e construída em cada vez mais países, à medida que o problema mundial de poluição se torna mais forte. Vários países já adquiriram as estradas de plástico, como Reino Unido, África do Sul, Vietnã, México, Filipinas e a Índia, que já instalou quase 100.000 km dessas estradas – alguns deles construídos recentemente.

Estudos afirmam que as estradas que contêm resíduos de plástico podem ter um desempenho tão bom ou melhor do que as estradas tradicionais. Elas podem durar mais, são mais resistentes a cargas, podem tolerar grandes variações de temperatura e são mais resistentes a rachaduras, buracos e danos causados pela água.

“Essa inovação nos oferece uma oportunidade de absorver centenas de milhares de toneladas de plástico, quase que da noite para o dia”, diz um apoiador do projeto.

Mesmo sendo uma prática muito utilizada na Índia, a incorporação de resíduos de plástico em materiais de pavimentação pode levar um certo tempo para evoluir, já que ainda está em seus estágios iniciais em outros países. Porém, dado que apenas 9% das 350 milhões de toneladas de plástico que os humanos produzem a cada ano são reciclados, os apoiadores dessa solução veem as estradas de plástico como uma estratégia que pode ajudar os seres humanos a adotarem cada vez mais novas práticas para economia circular.

Quem fornece o material para a pavimentação das “estradas plásticas” é a empresa escocesa MacRebur, que fragmenta os resíduos plásticos até que atinjam o tamanho de grãos de arroz. Após isso, o material é ensacado e vendido para empresas de construção e asfalto em todo o mundo. Cada tonelada produto desenvolvido pela MacRebur contém o equivalente a 80 mil garrafas plásticas e cada quilômetro de estrada pavimentada com seu produto contém o peso de cerca de 750.000 sacolas plásticas.

Para saber mais, assista á apresentação de Toby McCartney, CEO e cofundador da MacRebur, no TEDxChennai.